quarta-feira, 27 de abril de 2011

Nesse segundo volume da saga Irmandade da Adaga Negra, continua a história da Irmandade de guerreiros vampiros altamente treinados que protegem as demais vampiros dos assassinos da Sociedade Restritiva, Como conseqüência da seleção genética de sua raça, os Irmãos possuem uma imensa força física e mental, assim como uma extraordinária capacidade regenerativa, podendo recuperar-se de suas feridas de uma maneira assombrosamente rápida. Normalmente não estão unidos por vínculos de parentesco e são introduzidos na Irmandade mediante a proposta de outros Irmãos. Agressivos, auto-suficientes e reservados, vivem separados do resto dos civis, mantendo apenas contato com os membros de outras classes, exceto quando precisam alimentar-se. São objeto de lenda e reverência dentro do mundo dos vampiros. Além de lutarem por sua raça, eles sofrem ainda com os sentimentos conflitantes, que não os deixam ser felizes no amor.


O livro conta a história de Rhage e Mary ,  o guerreiro que foi amaldiçoado pela Virgem Escriba e que, graças a isso, tem uma besta dentro de si...Rhage teme constantemente que o dragão dentro de si seja liberado, convertendo-o num perigo letal para todos à sua volta.
Rhage é o membro mais perigoso da Irmandade da Adaga Negra é o vampiro de apetites mais vorazes.

Rhage está andando pelos corredores da mansão onde moram os membros da Irmandade, quando depara-se com Mary que, bem, foi parar lá devido a uma grande coincidência envolvendo um vampiro mudo, que ainda não passou pela transformação. Ele logo se encanta com a voz dela e ela fica impressionada com Rhage.


Mary é uma humana que esta muito doente e agora ele tem a chance de viver um grande amor que nunca se permitiu por causa da doença.


Nenhum comentário:

Postar um comentário